twitter

A AC-LAC pede para incluir criptografia no projeto de Lei-Quadro de Segurança Cibernética e Infraestrutura Crítica da Informação do Chile.

Na carta dirigida ao Senador Álvaro Elizalde Soto, Presidente do Senado da República do Chile, a Aliança para a Criptografia na América Latina e Caribe, AC-LAC, pede a inclusão de questões de criptografia no projeto "Lei-Quadro de Segurança Cibernética e Infraestrutura de Informação” do país transandino, instando os legisladores a proteger a inviolabilidade das comunicações privadas e garantir a segurança da população e da nação.

Acesse aqui a Carta enviada ao Senado chileno.

Na última terça-feira, 30 de agosto, a Aliança para Criptografia na América Latina e Caribe, AC-LAC apresentou uma declaração de consenso formulada por seu Comitê de Advocacia, dirigida à Comissão de Defesa do Senado da República do Chile, na qual argumenta a favor de adicionar questões de criptografia no Projeto de Lei-Quadro de Segurança Cibernética e Infraestrutura Crítica da Informação, que está em processo de análise pela Câmara Alta do Chile.

“O Poder Legislativo tem a responsabilidade de proteger a inviolabilidade das comunicações privadas e garantir a segurança da população e da nação, para o que a criptografia representa uma causa a ser defendida pelos legisladores”, explica a Coalizão Latino-Americana na carta, ao se referir aos benefícios de tal ferramenta de segurança, tanto para indivíduos quanto para grupos e Estados.

Refira-se ainda que o atual projeto de lei reflete a vontade de consagrar princípios orientadores como a responsabilidade, a proteção integral, a confidencialidade dos sistemas de informação, a integridade dos sistemas informáticos e da informação, a disponibilidade dos sistemas de informação, o controlo de danos, entre outros, para os quais a encriptação desempenha um papel fundamental, mas mesmo assim, no projeto atual não houve referências diretas à criptografia.

Nesse sentido, o AC-LAC faz uma sugestão expressa para adicionar texto referente à criptografia nos princípios norteadores do projeto de lei (especialmente dentro dos princípios de confidencialidade e integridade), que é o seguinte:

“Todo mundo tem o direito de adotar as medidas técnicas de segurança informática que julgar necessárias, como  encriptação ou criptografia. Nenhuma pessoa ou autoridade pode afetar, restringir ou impedir o exercício deste direito.

Criptografia de ponta a ponta significa que as comunicações permanecem criptografadas do remetente ao destinatário para que nenhum terceiro possa acessar ou inferir o conteúdo, em trânsito ou no dispositivo. Um terceiro neste contexto significa qualquer organização que não seja o remetente ou usuário destinatário que esteja diretamente envolvido na conversa.”

O processo de estudo do Projeto de Lei-Quadro de Segurança Cibernética e Infraestrutura Crítica da Informação no Chile está no primeiro processo constitucional, portanto ainda terá que ir para a Comissão de Segurança e a Comissão de Finanças do Senado. Concluída a revisão pelo Senado, a discussão continua na Câmara dos Deputados.

Acesse aqui a Carta enviada ao Senado chileno.

Share

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Latest

Conversamos sobre o papel da criptografia na proteção dos direitos reprodutivos das pessoas com útero no Workshop realizado pela AC-LAC

A Aliança para Criptografia na América Latina e Cariribe, AC-LAC, junto com Cultivando Género, Electronic Frontier Foundation – EFF; Instituto de Pesquisa em Direito e Tecnologia do Recife, IP.rec e o movimento Mujeres Vivas y Libres, realizaram um Workshop, liderado por especialistas da região e assistido por um público multissetorial, onde foi abordada a questão da criptografia como promotora dos direitos reprodutivos e protetora da privacidade e dos dados pessoais dos usuários na Internet.

A ACLAC realizará um Workshop sobre Criptografia e Direitos Reprodutivos, nesta quinta-feira 22/09.

A Aliança para Criptografia na América Latina e Cariribe, AC-LAC, junto com Cultivando Género, Electronic Frontier Foundation – EFF; Instituto de Pesquisa em Direito e Tecnologia do Recife, IP.rec e o movimento Vivas y Libres, realizarão um Workshop para o qual contarão com especialistas de toda a região, onde será abordada a questão da criptografia como promotora dos direitos reprodutivos.

Contato

aclac@iddlac.org

Siga-nos em nossas redes